Entrevista com o DJ MP7

15/03/2011 00:38

 

 

Confiram a entrevista dada pelo DJ MP7 ao Janelão Gospel:


JG - Como foi lidar com a questão da e-music na Igreja?

MP7 - Tudo que traz revolução também recebe muita resistência. O próprio Jesus quando veio, deixou os religiosos de cabelo em pé . risos. A emusic cristã ao mesmo tempo que veio como uma ferramenta de evangelismo , também veio como um instrumento de prazer fisico , emocional e espiritual para a vida dos jovens evangélicos , em vista da música mexer com essas três áreas da vida de uma pessoa. Chega de música brega e cafona que não condiz com a realidade do jovem hoje! Chega de colocar uma armadura de “crentão” no jovem e não deixar ele ser o que é.! O jovem cristão deve usar sua personalidade , gosto musical e arte para ganhar amigos e conhecidos pro Reino dos Céus e não para repelir por causa de dogmas quadrados. A emusic veio como uma bandeira para muitos jovens cristãos que são apaixonados por música eletrônica e tinham que buscar isso no mercado secular. Agora não precisam mais.


JG - Como surgiu o ministério Remix na igreja?

MP7 - O Ministério Remix surgiu de um programa de rádio de remixes e música eletrônica que realizava na minha antiga igreja e de eventos que realizava na mesma. A coisa deu tão certo, foi tão abençoada, que a cada evento, um caminhão de jovens desviados voltavam pra Jesus , fora os jovens ímpios que achavam o Evangelho uma coisa quadrada e careta, que visitando esses eventos, perderam o preconceito adquirido. E posso falar? Eles estavam cobertos de razão. Não sei o que a igreja arrumou que a cada 10 jovens, 9 queriam passar longe de uma igreja evangélica. O que era para atrair, repeliu. Hoje tentamos tirar toda capa religiosa que a igreja colocou em si própria e que afastava milhares de jovens de se aproximarem dela e desviava até mesmo os jovens que estavam na igreja . O jovem muita das vezes estavam com problemas terriveis , mas na igreja evangélica ele não botava o pé. Ai a igreja culpava o Diabo. Que mané Diabo, era a religiosidade doentia que dava medo a qualquer um . Hoje , os religiosos ainda acham ruim baladas cristãs. É um farisaismo total. Não entram e não deixam os outros entrar. Muitos juízes e sacrificio, pouca misericóridia.


JG – Você acha que hoje em dia ainda existe muito preconceito das igrejas em aceitar “baladas gospel”?

MP7 - Ainda existe preconceito , mas tivemos progressos. Hoje em dia temos parcerias com mais de 100 igrejas . Realizamos projetos e baladas juntamente com igrejas como Brasil para Cristo que era super conservadora e entendeu a visão, Igreja da Graça, Igreja Batista que são bem mais moderadas, mas que conseguiram enxergar nesse trabalho um direcionamento do Espirito. Quando Deus testifica , o religioso pode dar cabeçada na parede, soco na mesa que não tem jeito. Quem abre ou fecha a porta é Deus.


JG - Quando surgiu a paixão pela profissão de DJ?

MP7 - Acho que se nasce DJ e depois se descobre. risos. Meu primo de Fortaleza era Dj e eu com 13 anos bati o olho e descobri que era minha vocação. 3 anos atrás descobri que não era apenas minha vocação , mas meu chamado também. Foi quando comecei a trabalhar com música gospel e a usar isso para ganhar vidas .


JG - Qual estilo você gosta de Tocar?

MP7 -Trabalho com 70% de remixes , louvores em forma de música eletrônica e gospel internacional. Estilo em sua maioria eletro house e trance.


JG - Cite alguns lugares que você já mostrou o seu trabalho.

MP7 -Deus nos ja permitiu tocar em mais de 150 igrejas e grandes eventos . Já tocamos para 200 pessoas, mas também já tocamos para 8000 pessoas. A média de público hoje no Espaço Renascer tem sido de 3.500 jovens nos eventos.Já passamos por estados como Pará , Ceará, Distrito Federal, Minas Gerais. Isso porque estamos em momento de semeadura ainda. Deus é maravilhoso.


JG - Dj, com tanto tempo tocando no meio evangélico, o que mais te agrada e o que te tira do sério?

MP7 - O que mais me agrada é a receptividade do público e a felicidade estampada no rosto de esmagadora maioria. Ouço muito :” Finalmente algo que tenha a ver com a gente.” Outra é o retorno de tantos que gostam de dançar , se divertir e faziam isso no mundo, hoje frequentando somente baladas cristãs. Isso é demais. Me vejo posicionado no campo de batalha espiritual sendo instrumento para mudar a vidas de milhares . O que mais me tira do sério, é ver que tem alguns, uma minoria que não entende que a balada precisa ser diferente da do mundo. Então você ve poucos querendo beijar dentro da igreja, dançar sensual e tal. Mas isso com balada ou sem balada só quem muda interiormente é o Espirito santo . Na igrejas em geral hoje há muita adesão e pouca conversão.


JG - O que pensa sobre os Djs que tocam musica secular em festas cristãs?

MP7 - Não são djs cristãos. Não tem como misturar as coisas. Ou você é representante da juventude cristã ou representa a juventude secular. Eu luto para trazer pro mundo evangélico uma realidade e identidade musical 100% cristã , sadia , de qualidade, que seja paralela com nossa realidade de vida e que louve a Deus. Música secular não faz mais parte da nossa realidade. Esse é um príncipio. Não dá pra tocar música do Egito , celebrando em Jerusalem.


JG - Como é sua relação com outros djs pelo Brasil?

MP7 - Conheco e tenho contato com poucos djs que sei que são servos de Deus. Muitos querem apenas aparecer. A principal coisa que um Dj cristão deve tomar cuidado é com o FASCÍNIO.


JG - Voce acha correto um Dj evangelico tocar em festa secular?

MP7 - Se o trabalho dele for tocar em baladas secular, não vejo problema desde que ele não se contamine, o que é realmente acho muito dificil de não acontecer. Tocar música evangélica em festa secular, não só pode tocar como deve. Já recebi convite inclusive pra tocar em Rave secular, não se pode perder oportunidades de evangelizar como essa.


JG - Hj em dia o electro house tem dominado as pistas no Brasil, vc pensa que é mais um modismo como o psy ou o drum n bass ou esse veio pra ficar?

MP7 - Tudo tem seu tempo, seu momento e seu público.


JG – Deixe uma mensagem para a galera do Janelão Gospel que curte seu trabalho.

MP7 - Bom galera, meu recado é : Seja você mesmo. Deus tem uma espiritualidade exclusiva pra você. Sua espiritualidade é avaliada por Deus no seu quarto ,na sua individualidade e não no culto na frente das outras pessoas. Sua espiritualidade também não é imitativa. Você não precisa imitar ninguém para ser santo ou estar no centro da vontade de Deus . Deus quer usar você da maneira que você é e com sua personalidade para ganhar as vidas. Deus aprecia mais o coração a sinceridade do que a unção. Existe hoje muita unção e muito poder, mas pouca misericórdia, amor , retidão e sinceridade . Se permita ouvir a estratégia que o Espirito Santo ministrar a você e vá a luta!


Fonte: Postado por Vivi Falconi - http://www.gospelinmove.com/